Rússia aprovou lei que pune ‘propaganda gay’ e ofensa a religiosos (veja o vídeo)

Os deputados russos aprovaram duas leis que punem qualquer ato de “propaganda” homossexual em frente a um menor de idade e que reprime “ofensas aos sentimentos religiosos”, criticadas pelos supostos defensores dos direitos humanos.

Agora, os russos podem ser multados em caso de manifestações de “relações sexuais não tradicionais”. A definição é usada para definir a homossexualidade. Em caso de infração, o autor terá que pagar multa de 4.000 a 1 milhão de rublos (R$ 270 a R$ 680 mil). A punição também vale para estrangeiros, que, se considerados culpados, serão obrigados a pagar multa de 100 mil rublos (R$ 2.700), ficarão presos por 15 dias e serão expulsos do país.

Se a propaganda for feita pela internet, a empresa responsável poderá ser punida com o fechamento por 90 dias. O texto, que agora vale para todo o país, já havia sido adotado em algumas cidades como São Petesburgo. A lei visa impedir a realização de manifestações de ativistas e paradas gays, que, nos últimos anos, tem recebido forte repressão do governo.

Na Rússia, a homossexualidade era considerada crime até 1993 e uma doença mental até 1999. Segundo uma pesquisa do instituto Vtsiom, 88% dos russos apoiam a proibição da propaganda homossexual. Além disso, 54% acreditam que a homossexualidade deve ser punida.

OFENSAS

Os deputados também adotaram uma lei que reprime as “ofensas contra sentimentos religiosos dos fiéis”, que prevê uma multa de até 300 mil rublos (R$ 8.100) ou 240 horas de serviços comunitário. Ela pune “atos públicos que expressem desrespeito à sociedade, com o objetivo de ofender os sentimentos religiosos dos crentes”.