LUTO, MORREU BILLY GRAHAM, O “PASTOR DA AMÉRICA” (Assista ao Vídeo)

O conselheiro de Presidentes americanos e televangelista que se tornou um dos mais importantes líderes religiosos mundiais morreu aos 99 anos.

Billy Graham, o “pastor da América”, um líder evangélico norte-americano que foi conselheiro de uma dezena de presidentes dos Estados Unidos e pregou a literalidade da palavra da Bíblia, a 200 milhões de pessoas em 185 países, de viva voz, e a muitas mais pela rádio, televisão e Internet, morreu aos 99 anos, na sua casa, na Carolina do Norte.

Ao longo da sua carreira de mais de 70 anos foi ouvido por políticos tão variados como Al Gore e Sarah Palin. Tornou-se o capelão “de facto” da Casa Branca para vários Presidentes – sobretudo para Richard Nixon.

Levou a mensagem de que “só Jesus Cristo podia resolver os problemas do mundo” desde a sua Carolina do Norte até à Coreia do Norte e à capela real do Palácio de Windsor, para a rainha Isabel II e o princípe Filipe.

Desde 1955, apareceu na lista de Gallup dos homens mais admirados pelos norte-americanos mais de 60 vezes, diz a NBC – basicamente, desde que esta questão começou a ser feita. Na festa dos seus 95 anos, num hotel da Carolina do Norte, estiveram 800 convidados, que incluíram Palin, Rupert Murdoch e Donald Trump.

“Foi provavelmente o líder religioso mais importante do seu tempo”, comentou à Reuters William Martin, autor da biografia A Prophet With Honor: The Billy Graham Story. “Não terá havido mais do que um dois Papas, ou talvez uma ou duas outras pessoas, que se tenham aproximado do que ele conseguiu.” 

Com os ex-Presidentes George H.W. Bush, Bill Clinton e Jimmy Carter, na inauguração da Associação Evangélica Billy Graham em Charlotte (Carolina do Norte), em 2007

Encheu estádios, em eventos aos quais chamou “cruzadas”, recorda o New York Times. Nos seus tempos áureos, disparava discursos de uma oratória rápida e inflamada que lhe valeram a alcunha “Metralhadora de Deus”. Espalhou a sua influência através de “convicção religiosa, presença de palco e perspicaz uso dos meios e tecnologias de comunicação”, diz o jornal de Nova Iorque.

A partir dos anos 1950, os evangélicos a reconquistar influência social face aos católicos e protestantes, invertendo a tendência de recuo que se iniciou após o célebre julgamento Scopes, em 1925, em que radicais religiosos tentaram desafiar a teoria da Evolução através da Selecção Natural de Charles Darwin, e impedi-la de ser ensinada.

Semeou o terreno para o crescimento do direita conservadora americana. No entanto, nos últimos anos Graham afastou-se do movimento político evangélico que ajudou a criar e evitou os temas polêmicos caros aos conservadores religiosos.