32 igrejas foram derrubadas por governador socialista do DF (VÍDEO)

Maquinário pesado sendo usado para demolir uma igreja, acusada pelo governo de estar “ilegal”. Os fiéis protestam, alguns choram, outros fazem orações.

A cena é muito semelhante ao que acontece com frequência na China, mas nesse caso trata-se do Distrito Federal. 

O governador Rodrigo Rollemberg, do Partido Socialista do Brasil (PSB), parece fazer jus ao nome da sigla a que pertence e mantém a tradição marxista de supostamente se opor à liberdade de culto.

O caso mais recente foi a derrubada de uma igreja da Assembleia de Deus, acusada de ter sido construída em área pública, no parque próximo ao Palácio do Jaburu, residência do presidente Michel Temer.

O caso da Assembleia de Deus derrubada no mês passado não é isolado. Segundo a imprensa do DF, 32 templos postos no chão pelo GDF sem aviso prévio e sem negociação. Em muitos casos, elas foram pro chão com todos os equipamentos ainda dentro do prédio.

Daniel de Castro, advogado da Assembleia de Deus Madureira, faz um alerta: “A partir do momento que começa a patrocinar a derrubada, ela [administração Rollemberg] deixa de fazer justiça e começa a ser justiceira. Em sendo justiceira, está sendo seletiva. Em sendo igrejas eu entendo que está havendo perseguição religiosa. O Congresso Nacional precisa bater o olho pra isso, pois é uma turma que não gosta muito de igreja não”.

Segundo alguns políticos, o governador do DF é um dos maiores defensores ferrenhos da ideologia de gênero. O governador não respeitou as liminares que tentavam impedir as demolições.

Chegou a fazer uma reunião com os líderes religiosos do Distrito Federal, dizendo que elas iriam parar. Contudo, no dia seguinte mais um templo foi destruído.